25 de junho de 2009

Take My Breath Away

Em 1987 apaixonei-me pelo Val Kilmer, enquanto toda a gente suspirava quer pelo Tom quer pela Kelli eu secretamente mordia-me pelo Iceman. De tal modo que até troquei um dos meus posteres da Samanta Fox que vinha na Bravo, que era uma revista alemã que a malta comprava "para ver os bonecos" e sacar os posteres e os autocolantes, porque até hoje acho que nenhum de nós aprendeu uma palavra de alemão, mas enfim, troquei o tal poster por um dele com aquele ar de maroto e vestido com aquele macacão do filme.

Colei-o na parede aos pés da cama e todas as noites masturbava-me a fantasiar com o Iceman, aviões e motos. O deliro foi tal que a muito custo convenci o meu pai a comprar-me um blusão de aviador, que o pai do Índio vendia, que ele era Tenente-coronel na Base aérea de Tancos. A única pessoa a quem confidenciei esta paixão foi, como não podia deixar de ser, ao Chicha e ele, por artes mágicas consegui que fosse-mos todos numa visita a Base Aérea com o pai do Índio.

Assim, num dia bem cedinho ainda antes do nascer do sol, lá fomos num autocarro azul a caminho de Tancos e, depois de do que pareceu uma eternidade chegamos mesmo a meio da formatura. Os olhos quase me saíram das órbitas, centenas de "aviadores" ali alinhados como fruta num super-mercado. Depois da visita guiada pelas instalações, oficinas, casernas e afins, um dos pontos altos do dia foi a hora da ginástica. Dezenas de "magalas" de calção e camisola de alças, brancos como a neve, a exercitarem os corpos enquanto eu o Chicha, o Cabeçudo e o Bruno, enquanto os outros seguiam para ver sabe-se lá o quê, ficamos ali a babar sentados no chão de pernas encolhidas de modo a esconder discretamente as descomunais erecções que aquilo nos provocou.

Outro ponto alto foi o ir a bordo de um avião de caça, ali sentado a minha fantasia entrou em espiral e nos poucos segundos que estive sentado naquele cockpit imaginei-me a voar com o Iceman e depois do treino aéreo ir-mos os dois para a camarata fazer amor selvagem e ser-mos apanhados pelo resto do pelotão que excitados pela nossa volúpia se juntava a nos numa orgia descomunal.

No regresso a casa enquanto todos dormiam no autocarro, contei ao Chicha esta fantasia que tinha tido sentado no avião, enquanto ele fazia a sua magia pelo bolso rasgado das minhas calças. Para ele a vida da tropa não lhe dizia nada e eu mal podia esperar para concorrer á Força Aérea.
O meu pai achou muito bem, que a tropa ia fazer de mim um homem, também achei, mas secretamente o que eu esperava era fazer muitos homens na tropa.

Alguns dia depois tudo isto passou, e culpa foi da televisão e de "O preto esconde a força" e do tipo que borrifava com Drakkar Noir e fazia tiro com arco e sky e boxe em tronco nu. Apaixonei-me na hora, eu e o Chicha, que ficamos a babar, chegando mesmo a gravar no vídeo da tia dele o anuncio para ver-mos vezes sem fim enquanto nos acariciava-mos um ao outro frente a televisão.

Ao saber desta nossa fixação o meu padrinho ofereceu-me um frasco do dito perfume, que em poucos dias eu o Chicha e o Cabeçudo gasta-mos numa fúria perfumista. Depois o meu padrinho ensinou-nos que apenas umas quantas gotas na banheira dava o mesmo resultado e a brincadeira podia ser muito mais interessante, e assim foi. Fomos para casa dele e toma-mos o primeiro banho de espuma das nossa vidas, enquanto o meu padrinho sentado na sanita brincando com as jóias da família nos observava nos nossos jogos subaquáticos. No fim, e como forma de agradecimento pegamos nele e as nossas bocas foram pequenas para tanta sofreguidão. Foi também a primeira vez que o Cabeçudo provou leite, o do meu padrinho, que partilhamos entre todos num glorioso beijo final.

Quem não gostou nada desta onda do perfume foi o Bruno que dizia que lhe dava dores de cabeça e mais não sei o quê. Infelizmente. Para ele que não foi à "pesca submarina".

4 comentários:

pinguim disse...

Ai estas tuas histórias que põem sempre algo em ebulição, pela forma como estão escritas; é pena é serem tão raras...
Abraço.

Markus disse...

benvindo de volta!!!!!

Guy Franco disse...

O leite do meu padrinho, que partilhamos entre todos num glorioso beijo final...

ah...

mas e se...

hm...

é que...

Fabulastic disse...

Ena Ena! Grandes aventuras!

E agora vou dormir que já são 7 da manha e sonhar com aviadores, padrinhos e adolescentes com as hormonas aos saltos...

:)